Home Apostas PokerStars deve voltar aos Estados Unidos em outubro
< Voltar

PokerStars deve voltar aos Estados Unidos em outubro

30/09/2014

Compartilhe

O PokerStars, maior site de pôquer online do mundo, deve voltar a oferecer seus serviços dentro do território norte-americano em outubro, assim que uma revisão na cláusula "Bad Actor" de Nova Jersey for feita nos próximos dias. De acordo com o senador Ray Lesniak, que representa o Estado, o site entrará com investimentos em Atlantic City, cidade que terá cinco cassinos fechados até o final do ano. A aprovação deve levar poucas semanas.

Os cassinos de Atlantic City oferecem pôquer online desde novembro do ano passado. O PS, no entanto, não recebeu a permissão do departamento de jogos de Nova Jersey, mesmo com um acordo selado com o Resorts Club Casino, que abria margem para uma revisão do artigo que proíbe a entrada no site nos EUA.

Com a mudança de posse sobre as operações do PokerStars em julho, dada a partir da compra de US$ 4,9 bilhões feita pela canadense Amaya Gaming, a revisão do departamento de jogos será reconsiderada. A Amaya Gaming é licenciada em Nova Jersey, e os donos do PS a época da Black Friday não são mais os controladores da empresa.

Como parte do acordo, o fundador e executivo-chefe da Rational, Mark Scheinberg, e outros diretores da controladora da Rational, Oldford, deixarão seus cargos após a conclusão da transação. O pai de Mark, Isai Scheinberg, ainda enfrenta acusações criminais nos Estados Unidos relacionadas à Black Friday – dia em que o PS, o Full Tilt e Cereus (Absolute Poker/Ultimatebet) em 2011. Na época, o Departamento de Justiça norte-americano entendeu que os três sites teriam violado o decreto que proibia pagamento de apostas via internet validado em 2006.

Em dezembro de 2013, as autoridades do estado suspenderam a revisão do pedido de licença por dois anos, sob a premissa de que ainda há acusações federais não resolvidas contra Isai Scheinberg.

Paralelamente à revisão do departamento, o governo de Nova Jersey concedeu autorização a apostas esportivas a empresas locais, o que inclui – e agrada – os grupos de corrida de cavalo. A autorização dada pelo governo deve ser validada por um juiz federal na primeira semana de outubro.

Ao contrário de Nevada, estado onde se localiza Las Vegas, a crise dos cassinos de Nova Jersey parece não ter fim. Neste ano, Atlantic Club Casino, Caesars Entertainment Corporation, Tropicana Entertainment Inc, Showboat Casino Hotel e Trump Taj Mahal fecharam suas portas – o que preocupa os governantes locais temerosos em relação aos impactos sobre a economia. De acordo com um estudo da Universidade de Nevada, a receita dos cassinos de Atlantic City caiu 45% de 2006 para cá.

Planejamento

Na época do anúncio da compra, a direção da Amaya disse acreditar que tanto o PokerStars quanto o Full Tilt tenham mais facilidade de penetração em regiões em que ela tem operações nos EUA, o que justifica a compra.

Cláusula "Bad Actor"

Depois da Black Friday, em abril de 2011, Departamento de Justiça permitiu que coubesse aos estados decidirem sobre a liberação do jogo online.

Depois de Nevada, Delaware e Nova Jersey, Massachusetts, Pensilvânia, Califórnia, Illinois e Nova York começaram a se articular nos tribunais.

No entanto, os três estados que já permitem o pôquer online – Nevada, Nova Jersey e Delaware – por terem lobbies grandes na industrial de jogos e cassinos, estabeleceram que a operação de sites do ramo deve estar dentro da cláusula "Bad Actor". Segundo a sentença, somente sites que não foram expulsos na Black Friday podem oferecer o pôquer na web.

Nova York

Depois das conquistas de Nevada, Nova Jersey e Delaware, Nova York e Califórnia são apontados como os próximos estados a regulamentar o jogo na web. Contudo, ambos enfrentam a pressão de grupos de interesse locais.

No caso de Nova York, o pôquer online pode não ser liberado por conta da baixa arrecadação que o esporte vem mostrando nos estados autorizados. Lá, o pôquer online está passando por um processo de maturação no qual o número de jogadores é crescente, mas os bancos ainda não têm total confiança nos sites e temem fazer transações financeiras quando um jogador está usando um aplicativo fora da fronteira do estado que permite o jogo.

Na melhor das hipóteses, caso Nova York libere o pôquer na web, será por meio do projeto de lei que tramita no legislativo local para o Texas Hold’em e o Omaha desde abril. O autor do projeto, o senador John Bonacic, é também o presidente do Comitê de Corrida, Jogos e Apostas – que é onde está a proposta para avaliação. A cláusula "Bad Actor" está na proposta de Nova York.

Pelo projeto que pode virar lei, os sites teriam que comprar uma licença de R$ 23 milhões (US$ 10 milhões) para operar, além de arcarem com uma taxa de 15% sobre a receita bruta com os ganhos.

Califórnia

Apesar de a Califórnia ser o estado com mais chances de ser o próximo a liberar o jogo online, a regulamentação é vista como fator prejudicial a outras indústrias do estado – como a de apostas em cavalos -, que se articulam em lobbies contra a liberação. Uma vez que 2014 é um ano de eleições na região, é pouco provável que o debate seja aprofundado.

Além disso, a "Bad Actor" também é debatida nas audiências públicas que vêm acontecendo no estado desde abril, o que dificultaria a volta do PokerStars e do Full Tilt caso a volta da permissão do esporte online seja aprovada.

Mesmo assim, a Rational anunciou uma parceria com um grupo de cassinos californianos para um software de pôquer online em abril, quando ainda era a dona do PS. (Com SuperPoker)