MagocomSábado, 22 de Julho de 2017 Assine o BNLCadastre-se
Blog do editor









Busca

< Voltar

Destaques

Cearenses discordam de privatização das loterias da União 19/05/2017

A maioria, com 54,1% se manifestou contrária à medida, enquanto 28,3% disseram ser favoráveis e 17,6% preferiram não opinar


Na avaliação do deputado estadual Fernando Hugo (PP), chegou o momento para o País repensar o controle das loterias

A enquete do Portal da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, veiculada entre os dias 24 de abril e 8 de maio, questionou se os internautas são favoráveis à privatização das loterias. A iniciativa teria a finalidade de reforçar a arrecadação de tributos do Governo Federal. A maioria, com 54,1% se manifestou contrária à medida, enquanto 28,3% disseram ser favoráveis e 17,6% preferiram não opinar.

A Casa Civil deve enviar projeto de lei ao Congresso Nacional permitindo a operação da loteria esportiva, além de apostas online. O Governo Federal conta com a privatização das loterias para dobrar a arrecadação de tributos sobre as apostas dos brasileiros, saltando de R$ 6 bilhões para pelo menos R$ 12 bilhões, segundo as projeções. O objetivo é ajudar a reforçar o caixa do Tesouro Nacional nos próximos anos, enquanto as contas públicas ainda deverão ficar no vermelho.

Na avaliação do deputado estadual Fernando Hugo (PP), chegou o momento para o País repensar o controle das loterias. “É um fato que as loterias e apostas existem, portanto, entendo que já é tempo de o Governo privatizá-las e colher os impostos que vão ser gerados, para aplicá-los em recursos que sejam benéficos ao povo”, apontou o parlamentar.

Para Fernando Hugo, o tema é cercado de muita “pieguice”, mas precisa ser encarado como uma realidade, já que a privatização de loterias é estabelecida em diversos países, gerando lucros e mais uma fonte de renda para os cofres públicos.

O deputado Roberto Mesquita (PSD) também discorda do posicionamento da maioria dos internautas, entendendo que a privatização das loterias pode ser benéfica ao País. “No mundo inteiro, as apostas esportivas, por exemplo, feitas através da internet e que já se tornaram moda em vários países, são administradas por empresas privadas. Brasileiros, inclusive, utilizam-se de sites para jogar e geram renda para outros países, quando essa renda poderia ser revertida para cá, se houvesse uma privatização desse segmento”, destacou o parlamentar.

Segundo o deputado, a medida do Governo Federal é inteligente, pois acompanha uma tendência mundial, que é a digitalização das apostas. “A privatização dos jogos e apostas pode gerar prejuízo para as agências lotéricas, mas é uma tendência mundial, e não podemos nos furtar a acompanhar o que já é feito lá fora de forma bem-sucedida”, salientou Roberto Mesquita.

Já o professor tributarista Roberto Girão assinala que a opinião da maioria dos internautas é compreensível pelo estigma que ainda há no País em relação à privatização, mas que a proposta do Governo pode ser benéfica se for bem regulamentada e bem fundamentada quanto à destinação dos recursos a serem arrecadados.

“Claro que a privatização das apostas e jogos é uma tendência mundial, e o mais natural é que o Brasil, em algum momento, siga essa tendência. Mas temos que ter muito cuidado na comparação com outros países que adotam esse modelo, pois geralmente são mais desenvolvidos e com um controle mais eficaz dessa prática”, pontuou Roberto Girão. (Ascom ALECE)


Comentários (0)

Para comentar essa postagem você deve estar logado!

Clique aqui para se logar ou se ainda não for cadastrado cadastre-se aqui.