Home Lotérica Lotéricos se reúnem em Brasília nesta quinta e sexta-feira para definir o rumo da categoria
< Voltar

Lotéricos se reúnem em Brasília nesta quinta e sexta-feira para definir o rumo da categoria

15/08/2013

Compartilhe

Os sindicatos estaduais e a Febralot voltam a discutir nesta quinta e sexta-feira a retomada do movimento União Nacional dos Lotéricos. A reunião está agendada para o Setor Comercial Sul, Quadra 06, Edifício Newton Rossi, 7º Andar – Auditório, Brasília – DF.

Pelo convite da Febralot, a reunião desta quinta-feira será das 14h às 18h e está prevista a palestra sobre Gestão de Conflitos, ministrada pelo professor doutor Fernando Antônio Vasconcelos Frota.

Na sexta-feira, entre 9h e 11h, está previsto um debate sobre a sustentabilidade da rede; às 11h, haverá uma apresentação do superintendente Nacional de Estratégia Global de Atendimento e Distribuição da Caixa, Ademir Losekan e das 12h às 18h continuação das discussões e elaborações de sugestões a serem apresentadas à CAIXA.

Expressão real dos problemas enfrentados pelos empresários

O lotérico Celso Salgado de Melo, do Triangulo Mineiro, encaminhou para a redação do BNL, uma contundente radiografia do cenário de problemas que os empresários lotéricos enfrentam diariamente sob o título ‘Carta aos lotéricos do Brasil’. Destacamos para que os dirigentes lotéricos, que estarão reunidos em Brasília, reflitam sobre suas decisões. As manifestações dos lotéricos nas mídias sociais e nas correspondências revelam a expectativa da classe e que as reuniões de Brasília poderão definir o rumo da categoria.  

***

‘CARTA AOS LOTÉRICOS DO BRASIL’

“As casas lotéricas no Brasil foram transformadas em bancos pela Caixa Econômica Federal, onde os lucros (R$ 15 bilhões ao ano) são exclusivamente da Caixa e o trabalho estressante e desgastante de atendimento às imensas filas de pessoas, ficam por conta das loterias. O banco representado pelas loterias funciona em horário das 8h às 19h, sendo que a CEF, por questões de economia e segurança, funciona das 10 às 15h. Um tipo de boleto é cobrado pela CEF dos clientes, valores que podem chegar até a R$ 4,00, sendo que a lotérica recebe a miséria de R$ 0,45 pelo mesmo serviço. As lotéricas não tem segurança e ficam à mercê da bandidagem, a CEF possui empresa de segurança com guardas armados, por isso não se preocupa com as lotéricas e seus numerosos assaltos.

Além de não termos lucros, ainda temos de arcar com as numerosas despesas como: aluguel, energia, água, impostos, salários, encargos sociais (incluindo: férias, afastamento por doenças, 130 e pró-labore) seguro, telefone, internet, alvarás, segurança, transporte de valores, material de escritório, de limpeza etc., sem nenhuma ajuda da CEF.

A CEF não tem respeito e nem consideração pelos lotéricos, pois está abrindo numerosas licitações para novas permissões, mas sem dar apoio e estrutura para atender as 12 mil existentes no país. O sistema sofre queda constante do sinal, as máquinas são velhas e obsoletas e estão sempre com problemas. A CEF sempre foge da responsabilidade e contrata empresas sem nenhuma qualificação para atendimento e reparos nas máquinas. Somente no Triângulo Mineiro há mais de 100 máquinas paradas.

A ciranda financeira que as lotéricas estão sujeitas faz com que, no final do mês, os lotéricos utilizem a conta garantida, da qual a CEF cobra juros exorbitantes de até 14%, isto não é parceria, é agiotagem.

Um fato que os lotéricos não prestam atenção: “Se o dinheiro pertence à CEF, porque temos de pagar um valor adicional para transportá-lo até a agência da Caixa?”.

A situação atual dos lotéricos é a seguinte: acentuado nível de insatisfação e desânimo, muitos estão com grande desequilíbrio financeiro e dívidas. A CEF trata os lotéricos como lixo e escravos e os dirigentes mostram-se indiferentes às numerosas solicitações. Se não bastasse todos esses abusos por parte da CEF, ela constantemente está nos ameaçando com tentativas de mudanças das regras de renovação e transferência das permissões.

***

As seguintes ações necessitam serem tomadas imediatamente:

– Os sindicatos e federações necessitam de tomar medidas enérgicas e urgentes, não bastam essas reuniões com os diretores da CEF, que não resultam em absolutamente nada,

– Fazer um amplo movimento nacional de todos os lotéricos, inclusive com paralisações de atendimento, como por exemplo: não atendendo a bolsa família,

– Exigir aumento urgente no percentual de comissão, pagamento justo pelo nosso trabalho, respeito à classe e valorização dos nossos esforços. A CEF está patrocinando os times de futebol com milhões de reais, porque não ajudar também as lotéricas?

– Ação na justiça exigindo ressarcimento pelos períodos de paralisação por queda do sistema e por culpa e incompetência exclusivas da CEF,

– Responsabilizar civil e criminalmente os gestores da CEF pela péssima qualidade do serviço prestado aos permissionários.

COMPANHEIROS LOTÉRICOS: “CHEGA DE ABUSOS” “VAMOS REAGIR””

*** 

Resumo da última reunião da Caixa com a FEBRALOT

O informativo do Sincoergs veicula o resumo da última reunião da Caixa Econômica Federal com a Febralot, realizada no último dia 19 de julho de 2013.

Foram abordados diversos assuntos de interesse da categoria, sendo que alguns têm sido uma grande dor de cabeça para os empresários lotéricos como arrecadação/redução da rentabilidade das ULs, manutenção e comunicação dos terminais financeiros lotéricos – TFLs, reajuste das apostas, venda de loterias pela internet, novos jogos, receitas e expansão da rede. Confira o resumo:

Resumo: Reunião Caixa e FEBRALOT

O Sincoergs recebeu na AGE da FEBRALOT (23), resumo da reunião com CAIXA e FEBRALOT realizada em 19/07/2013.

Principais temas discutidos foram:

1) Arrecadação: Redução da rentabilidade das UL com aumento dos limites, considerando a elevação dos volumes de recursos nas UL e aumento dos custos com transporte de numerário.

Ações: Realizar estudo técnico sobre os impactos do aumento, traçando comparativo de crescimento de receita x despesa.

2) Manutenção e Comunicação: Manutenção – Ações: Estabelecido metas de redução de estoque existente com a ATP, com prazo final de 45 dias, a contar do dia 10/07.

Data de inicio dos atendimentos da ATP; Qualificar os chamados não atendidos até 22/07; Normalizar 8.200 chamados em aberto até 20 de agosto.

Comunicação – Ações: Contratação da OI para colocar um 2° circuito, que atender á cerca de 1000 lotéricas, as maiores em quantidade de equipamento e nas quais foram identificados os maiores problemas de queda de comunicação, considerando a existência de infraestrutura para atendimento. Atualmente está em teste em 2 lotéricas, com previsão de ampliar para 50 até 31/07/2013 e, tendo avaliação positiva, chegar aos 1000 no final de Outubro/13.

3) Loterias:

Reajuste das apostas – Ações: A CAIXA protocolou pedidos de aumento no Ministério da Fazenda , com posicionamento negativo.

Loterias na Internet – Ações: A CAIXA aguarda conclusão da carteira eletrônica para implantar, o que deve ocorrer em 2013.

Novos Jogos: O primeiro da lista é a “Dia de Sorte” com lançamento previsto para ocorrer após a liberação das Loterias pela Internet.

4) Receitas: Impactadas pelo não aumento dos jogos, tarifas e custos com adicional de segurança tendo em vista o aumento dos valores de arrecadação. A CAIXA informa que o DEESC está realizando estudo sobre a rentabilidade das UL.

5) Expansão da Rede: As licitações para o ano de 2013, totalizam 700 novas UL a serem instaladas nos municípios com mínimo de 60.000 habitantes. A expansão foi realizada a partir de estudo realizado pela Matriz da CAIXA e com a microlocalização geográfica realizada pelas SR, analisada e validadas pela Matriz.

Há a previsão de abertura de outras 238 Unidades Lotéricas, localizadas nos municípios desassistidos que não foram finalizados em 2012. (Fonte: AGE Febralot – 23/07/3012)