Home Destaque Legalização do jogo: “uma visão bastante ousada e interessante”, Paulo Guedes
< Voltar

Legalização do jogo: “uma visão bastante ousada e interessante”, Paulo Guedes

06/08/2020

Compartilhe

O senador Angelo Coronel defendeu a legalização dos jogos para “oxigenar a economia”…

O senador Angelo Coronel (PSD-BA) defendeu na manhã desta quarta-feira (5) a legalização dos jogos de azar como alternativa ao aumento de impostos durante a reunião virtual da Comissão Mista da Reforma Tributária. Na réplica, o ministro Paulo Guedes registrou como ousada a proposta do senador baiano em fazer uma reforma mais ampla, inclusive com a legalização dos jogos.

“Estou achando que a reforma está um pouco tímida. E, no quesito de redução de impostos para as pessoas jurídicas e físicas, eu acho que nós temos que aproveitar esse embalo deste Congresso reformista para aprovar, legalizar os jogos, que são mais R$ 20 bilhões que vão oxigenar a economia; combater a pirataria; e combater o contrabando, o descaminho, porque isso vai gerar outros recursos para a economia”, defendeu o senador Angelo Coronel.

Ao final da participação, o senador baiano reiterou a sua proposta de trabalhar pela legalização do setor de jogos.

“E digo: vamos trabalhar na legalização dos jogos, combater o descaminho, pirataria, contrabando, evasão fiscal, que, com certeza, Ministro Paulo Guedes, o senhor será com a sua equipe coroado em praça pública.”

…e o ministro Paulo Guedes considerou “uma visão bastante ousada do ponto de vista econômico, bastante interessante”

Ao responder a provocação do senador, o ministro Paulo Guedes considerou a proposta da legalização dos jogos como uma visão bastante ousada e interessante.

“O senador Angelo Coronel pede uma reforma mais ousada, falou justamente de acabarmos com isenções, com contrabando e legalizarmos jogo – é uma visão bastante ousada do ponto de vista econômico, bastante interessante – e reclama um pouco do impacto sobre os serviços, mas eu digo de novo: 85% das empresas brasileiras de serviços estão no Simples”, comentou o ministro da Economia, Paulo Guedes.