Home Bingo Entrevista: Presidente da Associação de Bingos e Similares do Estado do Rio de Janeiro – Aberj
< Voltar

Entrevista: Presidente da Associação de Bingos e Similares do Estado do Rio de Janeiro – Aberj

06/11/2002

Compartilhe

Um dos maiores orgulhos da Associação dos Bingos do Rio é a parceria com a Loterj e a Nova Obra Social. Parceria que começou com a doação de material para a reforma da sede da entidade não-governamental. Desde então, muitos projetos foram desenvolvidos graças ao trabalho em conjunto das instituições.
Para o presidente da Associação de Bingos do Rio de Janeiro, José Renato Granado Ferreira, “os bingos só se justificam se houver uma destinação social para o seu dinheiro e um cuidado com os apostadores”. Ele adianta que está em fase de estudos a possibilidade de se estabelecer uma parceria com entidades que tratam de jogadores compulsivos e oferecer condições de contratação de profissionais para auxiliar no tratamento. Hoje cerca de 3% dos apostadores têm uma relação patológica com o jogo. “Não podemos virar a cara para esse tipo de problema”, conclui Ferreira.

“As loterias só se justificam se houver uma destinação social para o seu dinheiro e um cuidado com os apostadores”

Quantos bingos participam da Associação?
Temos 37 associados, mas o estado conta com 35 bingos funcionando harmonicamente.
O que está achando da “estadualização do bingos”?
O Rio de Janeiro é considerado o “estado-modelo” na operação dessa modalidade de entretenimento. A Associação sempre atua como elo de ligação entre os bingos e a Loteria do Estado do Rio de Janeiro – Loterj, que é o órgão regulador da atividade.
Qual é a sua opinião sobre os recursos das loterias serem aplicados em projetos sociais?
Mais importante que a boa relação que mantemos com a Loterj e com o seu presidente, Waldomiro Diniz, é ver os recursos advindos da arrecadação dos bingos serem aplicados nos projetos sociais do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Um dos maiores orgulhos da Associação dos Bingos do Rio é a parceria com a Loterj e a Nova Obra Social. Parceria que começou com a doação de material para a reforma da sede da entidade não-governamental e desde então, praticamente todas as iniciativas, tiveram a participação da Associação de Bingos.
Os bingos investem em outros projetos sociais?
Patrocinamos vários projetos importantes da 1ª Vara da Infância e da Juventude, com destaque para os cursos de qualificação de jovens de comunidades carentes, visando o ingresso desses adolescentes no mercado de trabalho. Anualmente, doamos brinquedos no Natal e ovos na Páscoa para as crianças carentes, apoiamos eventos na área de saúde, como exame gratuito de glicose, exames de prevenção do câncer de mama, fluoretação dos dentes e prevenção da hipertensão arterial.
Por que é importante para o setor investir no social?
As loterias só se justificam se houver uma destinação social para o seu dinheiro e um cuidado com os apostadores. Já estamos estudando a possibilidade de estabelecermos uma parceria com entidades que tratam de jogadores compulsivos e oferecer condições de contratação de profissionais para auxiliar no tratamento. Sabemos hoje que cerca de 3% dos apostadores têm uma relação patológica com o jogo e não podemos virar a cara para esse tipo de problema.
Loterj Informa